Fevereiro terminou com oito homicídios em Juazeiro e o ano é quase 30% mais violento

Rodrigo foi morto a tiros no bairro Carité e “Perereca” no Santa Tereza (Foto: Reprodução)
13/03/2019 às 8:32

Com oito homicídios em cinco diferentes bairros e mais na cadeia pública e numa localidade rural, Fevereiro teve um assassinato a menos que janeiro representando uma queda da ordem de 11% na matança em Juazeiro. Já na comparação com Fevereiro de 2018 a situação é exatamente a mesma.

Segundo levantamento do Site Miséria, em fevereiro, os bairros onde houve o registro de homicídios foram Pedrinhas (2) e os demais no Campo Alegre, Carité, Santa Tereza e São José, além de mais um na cadeia pública e outro no Sítio Santa Rosa. Com isso, no acumulado do ano o bairro Pedrinhas lidera como os mais violentos com três homicídios ou 17,6% da matança em Juazeiro.

Os dois primeiros meses de 2019 fizeram o ano começar violento já que, em 2018, eram 12 homicídios contra 17 este ano ou cinco a mais representando um crescimento na ordem de 29,4% na violência. Eis a relação dos homicídios registrados no decorrer do mês passado em Juazeiro:

Dia 01 – Wellington Romão Barbosa, de 18 anos, o “Zoim” que era doente mental e residia na Rua Maria Hilda (Campo Alegre), morreu em intervenção policial. Uma patrulha da Polícia Ambiental estava averiguando denuncias sobre a venda de drogas num bar perto da Socil e o rapaz – filho do dono do bar – teria tomado a arma de um dos PMs quando apontou na direção da patrulha e foi contido com um tiro que causou sua morte.

Dia 12 – Elivaldo Geraldo de Souza, de 35 anos, que residia na Avenida Antônio Correia Saraiva (Bairro Santo Antônio) em Barbalha, foi morto por espancamento na cadeia pública de Juazeiro. Ele tinha sido preso quatro dias antes com drogas em Barbalha e respondia por tráfico.

Dia 14 – Paulo Sérgio Diniz Filho, de 28 anos, o “Paim” que residia na Rua João Crispim na Vila São Francisco (Aeroporto), foi morto a tiros por dois homens numa moto dentro de uma casa na Rua São Caetano (Pedrinhas) num caso de duplo homicídio onde morreu seu enteado Blaydy dos Santos Maia, de 17 anos. “Paim” respondia dois procedimentos por assaltos e usava tornozeleira eletrônica.

Dia 14 – Blaydy dos Santos Maia, de 17 anos, o “Bleide”, foi a outra vítima do caso de duplo homicídio em que foi morto o seu padrasto no bairro Pedrinhas. Ele era carroceiro e não tinha passagens pela polícia.

Dia 16 – Antonio Francinaldo Bezerra da Silva, de 17 anos, que residia Rua Maria Diva de Carvalho (Frei Damião), foi morto a pauladas na Rua Josias Inojosa de Oliveira (Sítio Santa Rosa). Ele não tinha passagens pela polícia e estava com a namorada no Bar do Flamengo, no bairro onde morava, onde se envolveu num conflito. Ao sair, foi perseguido e morto enquanto a namorada correu. Um dos acusados terminou preso.

Dia 21 – Rodrigo Vinicius Santos de Gusmão, de 35 anos, que residia na Avenida Carlos Cruz (Carité) foi morto a tiros dentro de sua casa por um homem identificado apenas por “Eduardo” que fugiu numa moto. A vítima respondia procedimentos por crimes de estelionato, violência doméstica, receptação e furto junto às comarcas de Juazeiro, Milagres e Icó.

Dia 21 – Davi José Farias dos Santos Belo, de 18 anos, o “Perereca” que residia na Rua Senhor do Bonfim (João Cabral), foi morto a tiros no Bar da Fava que funciona na Rua das Flores (Santa Tereza) por um homem que saiu empurrando sua moto pela via pública.

Dia 25 – Natalia Ferreira Barão, de 24 anos, que residia na Rua Maria Ana Pereira (São José), foi morta após conflito em sua casa quando terminou lesionada com golpes de gargalo de garrafa no pescoço e no braço desfechados por Carlos da Conceição Silva, o “Esquerdinha” que fugiu. Ele lesionou ainda o amigo dela Cícero Alves, de 34 anos, que a mesma foi defender.


Miséria.





Leia Tambem: